Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Cidade alemã pretende se livrar dos carros em 20 anos

Mäyjo, 19.02.14

Os avanços tecnológicos têm acelerado a comunicação ao redor do mundo e, de fato, um deslocamento de recursos para alternativas mais sustentáveis ​​continua a ser implementado em um ritmo crescente. Quem diria que em 30 ou até mesmo 50 anos atrás os carros poderiam sair de moda em favor de modos alternativos de transporte mais sustentáveis​​?

Cidade alemã pretende se livrar dos carros em 20 anos

No entanto, é exatamente isso o que está acontecendo na cidade alemã de Hamburgo. O conselho da cidade divulgou recentemente que tem planos para reduzir a maior parte da circulação de carros nas principais vias da cidade em 20 anos, a fim de criar o que um dia vai ser uma grande rede verde. As autoridades locais irão conectar pedonais e ciclovias, o que é esperado para suavizar o fluxo de tráfego, além de implantar formas sustentáveis de transporte.

Ao todo, a cidade está planejando expor novas áreas verdes que vão colmatar parques existentes, hortas comunitárias e cemitérios. O objetivo é reunir as saias exteriores de Hamburgo e permitir que os pedestres e ciclistas cheguem a todas as áreas da cidade a pé.

Quando o plano estiver concluído, a grande cidade de Hamburgo será capaz de orgulhar-se de ter mais de 17.000 hectares de espaços verdes, que compõem 40% da área da cidade.

Um funcionário falou sobre o projeto, afirmando que ele vai “reduzir a necessidade de levar o carro para passeios”. Enquanto os veículos não serão banidos das principais vias, o conselho espera que os moradores e turistas sejam capazes de “explorar a cidade exclusivamente de bicicleta ou a pé”.

Com a criação de um anel verde, a cidade também está ajudando na luta contra a ameaça do aumento das temperaturas e enchentes urbanas. É uma preocupação premente, já que a temperatura média na segunda maior cidade da Alemanha aumentou 9 graus Celsius em apenas meio século.

Locais em todo o mundo estão se submetendo a concepção e métodos de vida que irão apoiar uma vida mais verde para as futuras gerações. Hamburgo é apenas um dos muitos exemplos que provavelmente irão influenciar uma mudança no sistema atual.

Quando as cidades oferecerem espaço para o cultivo de alimentos, áreas de lazer imersas na natureza, e opções alternativas para o transporte sustentável, uma dramática mudança no paradigma atual será realizada. [TheMindUnleashed]



Leia mais em http://misteriosdomundo.com/cidade-alema-pretende-se-livrar-dos-carros-em-20-anos#ixzz2to5g43qu

SPV já enviou para reciclagem o equivalente a três pontes Vasco da Gama

Mäyjo, 19.02.14

SPV já enviou para reciclagem o equivalente a três pontes Vasco da Gama (com VÍDEO)

 

A Sociedade Ponto Verde assinalou no dia 19 de Novembro de 2013 17 anos de actividade com vários números redondos: durante este período, foram enviadas para reciclagem perto de seis milhões de toneladas de resíduos de embalagens (fluxo urbano e não urbano), o equivalente ao peso de três pontes Vasco da Gama.

Por outro lado, e nos últimos 17 anos, mais de €600 milhões financiaram a recolha e triagem de resíduos de embalagem, um investimento que esteve a cargo das empresas aderentes e clientes da Sociedade Ponto Verde e que têm a obrigação legal de gerir os resíduos em que se transformam as suas embalagens após o consumo por parte dos consumidores.

“Muito se evoluiu ao nível da reciclagem de resíduos de embalagens desde a criação da SPV, em 1996. Fruto do trabalho e do investimento realizado, actualmente mais de 650 mil toneladas de resíduos de embalagens são enviadas por ano para reciclagem, 99% da população tem acesso à recolha seletiva e 69% da população já separa os seus resíduos de embalagens”, sublinhou em comunicado Luís Veiga Martins, director-geral da Sociedade Ponto Verde

As empresas aderentes e clientes da SPV pagaram também à indústria de reciclagem, para garantir a reciclagem de alguns materiais de embalagens (nomeadamente embalagens de cartão para alimentos líquidos, poliestireno, plásticos mistos e madeira), mais de €14 milhões. O investimento na educação dos consumidores chegou aos €46 milhões, os projectos de investigação e desenvolvimento aos €2 milhões e as acções de responsabilidade social a €1 milhão.

“Acreditamos que nos próximos anos a taxa de reciclagem irá continuar a aumentar, através do contributo dos consumidores e do empenho de todos os parceiros do SIGRE. Portugal tem condições para reciclar mais e dar resposta às metas ambiciosas definidas no PERSU, tendo sempre presente a necessidade de garantir a sustentabilidade financeira do SIGRE. A partilha de infraestruturas pelos Sistemas será um dos muitos contributos para uma maior eficiência, economias de escala e aproveitamento dos avultados investimentos que foram realizados no sector nos últimos anos”, acrescentou Luís Veiga Martins.

Prosseguindo o caminho de uma verdadeira sociedade de reciclagem, a Sociedade Ponto Verde tem previsto um conjunto de acções para mobilizar quem ainda não separa ou não está motivado para a separação.

 

Como funciona o Sistema Ponto Verde?

As empresas embaladoras e importadoras que colocam as suas embalagens no mercado são obrigadas, por lei, a assegurar o destino final dos resíduos em que as suas embalagens se transformam após o consumo, através da transferência dessa responsabilidade para a Sociedade Ponto Verde ou de um sistema próprio devidamente licenciado.

No circuito de distribuição não podem ser comercializados produtos cujo destino dos resíduos em que as suas embalagens se transformam não esteja devidamente acautelado, através da transferência de responsabilidade para o Sistema Ponto Verde ou através de um sistema próprio.

Nas suas casas, os consumidores finais separam as embalagens usadas por tipo de material e depositam-nas voluntariamente nos ecopontos ou estas são recolhidas porta-a-porta. As Câmaras Municipais e outras entidades em seu nome efectuam a recolha das embalagens usadas e enviam-nas para Sistemas Municipais, onde são devidamente triadas por tipo de material e segundo especificações técnicas previamente definidas;

Posteriormente, estes Sistemas Municipais disponibilizam esses resíduos devidamente triados à Sociedade Ponto Verde que, por sua vez, os encaminha para reciclagem. A indústria transformará estes resíduos em novos materiais.

 

 

in: Green Savers